7 coisas você precisa saber antes de contratar um serviço de paisagismo

Na minha rotina profissional vejo que algumas dúvidas são muito recorrentes em clientes que buscam por serviços de paisagismo. Aqui estão as respostas.

1. O serviço de paisagismo é um serviço de planejamento

O jardim pronto é apenas uma das várias etapas do paisagismo. Desde um simples vaso na varanda, até um complexo e amplo jardim, o planejamento é essencial para que tudo saia como previsto. Pense só: você quer um jardim para a sua casa/comércio/escritório. Quais são as plantas mais indicadas para seus ambientes, conforme luminosidade? Como elas serão organizadas? Haverá iluminação? Que tipo? Haverá irrigação? Tem ponto de água? Haverá vasos? Que tipo? Qual cor? Tamanho? Quais são os valores de mercado de todos esses materiais? Viu só como é um processo cheio de informações técnicas importantes? Sem contar os procedimentos como elaboração dos projetos para documentação das etapas, contatos com fornecedores, estudo de ambiente para verificar a viabilidade das intervenções e entregas, etc. Assim conseguimos enxergar que o jardim é apenas a ponta de um longo processo. Ao desejar um jardim para seu espaço, é preciso ter em mente que todo esse caminho deverá ser trilhado.

2. São dois orçamentos distintos: um para projeto, e outro para execução.

Como o paisagismo é um serviço de planejamento, primeiro é feito um orçamento de projeto, ou seja, um orçamento sobre quanto esse serviço de planejamento irá custar. É de extrema importância dizer que o custo da execução do jardim não está incluído no orçamento de projeto, pois será uma outra etapa do serviço. O valor de um projeto de paisagismo é muito variável. Isso porque tudo depende do grau de complexidade do ambiente e das expectativas do cliente para o espaço. Pense comigo: o que é mais difícil de planejar, um jardim formado por um gramado com uma palmeira, ou um grande jardim tropical com um lago, uma trilha educativa com espécies nativas e uma fonte no formato de um leão?. Esse grau de complexidade irá afetar diretamente o preço do projeto. Só é possível estabelecer um valor de orçamento de projeto depois de uma sólida conversa entre cliente e profissional para compreender o que é esperado para o jardim.

Depois que o projeto de paisagismo foi elaborado e aprovado pelo cliente, será possível contabilizar os custos para colocar o projeto em prática. Então é feito um segundo orçamento, que é referente aos valores de execução.

3. O processo de criação do jardim é uma troca constante entre profissional e cliente

O papel do paisagista é entrar na mente do cliente para captar as principais informações a respeito da composição do jardim. Esse não é um processo que é feito em uma conversa de 5 minutos, nem uma troca de mensagens rápidas pelo celular. Durante o processo de elaboração do projeto de paisagismo, o cliente e o paisagista devem marcar algumas reuniões para alinhar detalhes e expectativas. Um projeto não é um produto pronto. A gente não chega no escritório de paisagismo e escolhe um jardim por catálogo. Essa é uma criação conjunta. O jardim vai se criando através do conhecimento do paisagista, sobre as expectativas do cliente. Ao contratar um serviço de paisagismo é preciso ter disponibilidade para sucessivas reuniões.

Outro ponto importante que deve ser citado é o fato de que o paisagista não vai entregar um esboço do jardim junto com o orçamento. Eu sei que é comum se perguntar “mas como eu vou saber se vou gostar antes de fechar negócio?”. O trabalho de planejamento do jardim é justamente o trabalho do paisagista. Ninguém sabe como será o jardim antes das reuniões de alinhamento. A ideia do jardim só aparece depois do trabalho ter começado. Mais precisamente, depois da terceira etapa em uma série de 7 macro etapas.

Com relação a prazos, o tempo mínimo que eu estabeleço para desenvolver um projeto de paisagismo é de 1 mês, dependendo da complexidade do projeto. Se for possível realizar duas reuniões semanais para desenvolvimento do projeto, é possível concluir o serviço em um mês, claro, sem contar com o plantio. A relação entre paisagista e cliente é como um “casamento”. Para colher os frutos dessa união, é preciso conversa, compreensão, confiança, comprometimento e união. E isso exige tempo e proximidade.

4. O valor final do jardim pode ser estimado, mas é sempre variável.

Quanto custa um jardim pronto? Isso depende, claro, dos elementos considerados em projeto. Logo no primeiro contato eu pergunto ao cliente quanto ele(a) deseja ou dispõe para investir no jardim. O cliente quer um jardim de 30 mil reais? Ou o cliente deseja um jardim de mil reais? Ótimo, o projeto irá prever essa verba para aplicar na execução do jardim. E entenda que em um limite de verba de mil reais não será possível usar muitos elementos ou plantas caras. Uma jabuticabeira de 2m já tem valor médio de 350 reais, mais de 1/3 do valor da verba. Contando ainda com a mão de obra, o serviço de aquisição e transporte da muda, os adubos e o acabamento de plantio, já fecham a verba inicial. E estamos considerando plantar uma jabuticabeira no chão. Viu só como é importante ter uma previsão de gastos para alinhar com o desenvolvimento do projeto? De nada adianta sonhar com uma estufa de vidro, um campo de narcisos e uma aleia de palmeiras imperiais de 10m se a verba é restrita. Vai chegar na hora de fechar a execução e o projeto ficará inviável.

É possível estimar os custos de execução durante a elaboração do projeto, mas qualquer modificação feita poderá alterar o valor final.

Alguns valores de mercado para ilustrar alguns custos:

Média da diária de um jardineiro em São Paulo: 250 reais (variação de 150 a 350 reais)

Mudas tipo caixaria - Moréia, agapanto, trapoeraba roxa, sálvia vermelha, hortaliças, etc. (caixa com 15 mudas pequenas): 15 reais (o preço varia bastante dependendo do tipo de planta)

Substrato comercial: 20 reais o saco de 20kg (valor varia com a marca)

Adubo NPK 10-10-10: 20 reais/kg

Jardim vertical: 1200 reais/m2 (valor varia entre empresas, sistema, tecnologia e plantas utilizadas)

(Importante: é fundamental considerar os custos de aquisição desses produtos/serviços, como o deslocamento para aquisição, adicional noturno - A feira de flores do CEAGESP funciona de madrugada, por isso todas as aquisições feitas nesse local são realizadas entre meia noite e 6h da manhã -, carregamento de mudas, ferramentas, entre outros.)

5. O jardim só é possível se houver infraestrutura e cuidados básicos

Plantas são seres vivos, com necessidades específicas. Um jardim não pode ser colocado em qualquer lugar de qualquer jeito. As plantas precisam de iluminação natural, e esse é o básico para um jardim. Mesmo na sombra, dentro de casa, tem planta certa e lugar certo. Depois da luz natural, o segundo ponto essencial é condição para acomodar terra. Seja em vasos ou em canteiro construído, o jardim precisa ter terra. O terceiro ponto essencial é irrigação. O jardim é um sistema artificialmente construído, e é ilusão pensar que apenas a chuva é suficiente para manter as plantas irrigadas. O jardim precisa de irrigação constante, seja manualmente ou automaticamente, mas sem água o jardim não será possível (não um jardim de qualidade). Para atender esses três pontos básicos o jardim precisa ter infraestrutura. Também é necessário monitorar esse ambiente, ver se as plantas estão se desenvolvendo bem, verificar se a irrigação está funcionando direitinho, se existem plantas daninhas ou insetos prejudiciais, enfim.

6. Frequentar o jardim é fundamental.

Foi dito no tópico anterior que o jardim é um sistema artificial. Isso significa que estamos criando um ambiente que não seria criado da mesma maneira se por ações da natureza. Levamos terra para onde não há terra, levamos plantas para onde não há plantas, levamos água para onde não há água. Também são poucas as situações em que um jardim consegue se manter sozinho, sem nenhuma interferência humana. Aparecem plantas daninhas, pragas, doenças, as plantas morrem, crescem, o solo sofre erosão, há períodos de estiagem e chuvas intensas, enfim. Tudo isso causa perturbação no jardim. Se nós não estamos presentes para apreciar as plantas e observar essas perturbações, um jardim e um terreno baldio não são muito diferentes. Eu costumo dizer que a pior praga para um jardim é o abandono. Se você planeja ter um jardim, deve se preparar para a manutenção. A manutenção do jardim inclui substituição de plantas, poda, adubação, condicionamento da terra, atividades específicas que variam entre espécies de plantas, combate de pragas, remoção de plantas daninhas, etc.

É preciso estar envolvido(a) com o jardim. Esse contato pode ser feito com o proprietário/ frequentador do jardim ou delegado a um(a) jardineiro(a) encarregado(a) pela manutenção, mas um jardim deve ser acompanhado de perto.

7. Jardim é qualidade de vida

Existem vários estudos atestando os efeitos terapêuticos dos jardins. São responsáveis por melhorar nossa saúde, auxiliar na cura de doenças, reduzir estresse, é um espaço para recreação, cultivo de relações humanas, convívio familiar, e também ajuda no equilíbrio do meio ambiente.

Jardins também refletem “sucesso”, uma vez que empresas com maior desempenho possuem jardins exuberantes no interior e no exterior de seus edifícios. Jardins também aumentam o valor dos imóveis, contribuindo com o valor de venda.

Pesquisas também apontaram que escritórios com plantas aumentam o desempenho dos funcionários em até 10%, em comparação a ambientes sem vegetação.

O processo de criação do jardim parece ser cheio de etapas, mas é um caminho muito gostoso de seguir. Sonhar com flores e folhagens é uma delícia, e o processo de desenvolvimento de um jardim envolve muita energia criativa. Cores, texturas, perfumes, sabores... só de imaginar um jardim nossa tensão começa a se dissipar.

Se você sempre quis um jardim para a sua casa, escritório ou comércio, e ainda tem dúvidas sobre o assunto, entre em contato! Estou à disposição para tirar suas dúvidas e conversar sobre seu jardim.

Gabriel Kehdi

Eng. agrônomo paisagista.

454 visualizações
POSTS RECENTES