Liquens e bromélias são parasitas?

Vou ser direto nesse texto: não. Liquens e bromélias não são parasitas. Muitas pessoas chamam de pragas, de musgo, de mato, falando que apodrece ou seca o galho. A verdade é que liquens e bromélias não possuem nenhuma estrutura morfológica para o parasitismo. Isso significa que não penetram nem enforcam os ramos em que se apoiam.



Uma vez estava prestando um serviço para um cliente e encontrei essa situação que precisei registrar: Tillandsias crescendo apoiadas no gradil. Um forma muito clara para entender: se fossem parasitas não cresceriam em grades e fios de energia.


Mas esse tópico é realmente uma polêmica. Sempre que eu entro nesse assunto com meus alunos alguém diz que sempre notou maiores populações em plantas fracas ou secas. Muitos clientes meus também dizem que combatem essas plantas. E com base nisso (e na minha própria percepção) eu reconheço que existe uma correlação um pouco suspeita de liquens e bromélias em árvores ou ramos mais secos.


Mas tem algo que eu acredito muito: correlação não é necessariamente causa. É preciso investigar melhor o tema.


Liquens são relações simbióticas (ou seja, uma amizade bastante íntima) entre espécies de fungos e algas. Enquanto as algas fornecem açúcares para os fungos pela fotossíntese, os fungos fornecem nutrientes para as algas. O termo mais atual para esses seres vivos são fungos liquenizados. Eles apenas se apoiam sobre as árvores, pedras, solo, muros e paredes.


As bromélias em questão são geralmente do gênero Tillandsia. Podem formar grandes aglomerados e absorvem água e nutrientes majoritariamente pelas folhas. Em inglês são chamadas de “air plants” devido à capacidade de viverem na ausência total de substrato.


Algumas pessoas até reconhecem que não são parasitas, mas que o excesso desses seres em algumas árvores pode “abafar” os galhos e prejudicar a brotação.


Confesso que fico dividido entre a biologia não parasitária dessas espécies e o fato de haver alguma correlação com a diminuição da vitalidade das árvores colonizadas. Por conta disso não vou deixar aqui nenhuma recomendação. Nem para tirar, nem para manter.


Esse é um informativo para alimentar a discussão e dizer que, de fato, esses seres não são parasitas.


Uma impressão que tenho é que plantas mais velhas e mais fracas são mais colonizadas por liquens e Tillandsias, ao invés do entendimento que liquens e Tillandsias causam enfraquecimento. É quase como se as Tillandsias e os liquens tivessem maior afinidade por plantas já enfraquecidas ou muito velhas. Esse meu pensamento é corroborado por esse artigo (em inglês): https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/plb.12406


Por outro lado xistem pesquisadores que encontraram um efeito de modificação da estrutura de vasos condutores de seiva provocado pela presença de Tillandsia recurvata, o que provavelmente leva aí ressecamento dos galhos. Esta informação está presente no resumo deste artigo (inglês): https://www.researchgate.net/publication/343952939_Is_ball_moss_Tillandsia_recurvata_a_structural_parasite_of_mesquite_Prosopis_laevigata_Anatomical_and_ecophysiological_evidence


E agora? O que fazer? Aqui está um belo ponto para ser pesquisado por alguma universidade ou instituto de pesquisa: remover liquens e Tillandsias das árvores contribui com o aumento do vigor da planta?

Liquens e bromélias são parasitas?


Vou ser direto nesse texto: não. Liquens e bromélias não são parasitas. Muitas pessoas chamam de pragas, de musgo, de mato, falando que apodrece ou seca o galho. A verdade é que liquens e bromélias não possuem nenhuma estrutura morfológica para o parasitismo. Isso significa que não penetram nem enforcam os ramos em que se apoiam.


Uma vez estava prestando um serviço para um cliente e encontrei essa situação que precisei registrar: Tillandsias crescendo apoiadas no gradil. Um forma muito clara para entender: se fossem parasitas não cresceriam em grades e fios de energia.


Mas esse tópico é realmente uma polêmica. Sempre que eu entro nesse assunto com meus alunos alguém diz que sempre notou maiores populações em plantas fracas ou secas. Muitos clientes meus também dizem que combatem essas plantas. E com base nisso (e na minha própria percepção) eu reconheço que existe uma correlação um pouco suspeita de liquens e bromélias em árvores ou ramos mais secos.


Mas tem algo que eu acredito muito: correlação não é necessariamente causa. É preciso investigar melhor o tema.


Liquens são relações simbióticas (ou seja, uma amizade bastante íntima) entre espécies de fungos e algas. Enquanto as algas fornecem açúcares para os fungos pela fotossíntese, os fungos fornecem nutrientes para as algas. O termo mais atual para esses seres vivos são fungos liquenizados. Eles apenas se apoiam sobre as árvores, pedras, solo, muros e paredes.


As bromélias em questão são geralmente do gênero Tillandsia. Podem formar grandes aglomerados e absorvem água e nutrientes majoritariamente pelas folhas. Em inglês são chamadas de “air plants” devido à capacidade de viverem na ausência total de substrato.


Algumas pessoas até reconhecem que não são parasitas, mas que o excesso desses seres em algumas árvores pode “abafar” os galhos e prejudicar a brotação.


Confesso que fico dividido entre a biologia não parasitária dessas espécies e o fato de haver alguma correlação com a diminuição da vitalidade das árvores colonizadas. Por conta disso não vou deixar aqui nenhuma recomendação. Nem para tirar, nem para manter.


Esse é um informativo para alimentar a discussão e dizer que, de fato, esses seres não são parasitas.


Uma impressão que tenho é que plantas mais velhas e mais fracas são mais colonizadas por liquens e Tillandsias, ao invés do entendimento que liquens e Tillandsias causam enfraquecimento. É quase como se as Tillandsias e os liquens tivessem maior afinidade por plantas já enfraquecidas ou muito velhas. Esse meu pensamento é corroborado por esse artigo (em inglês): https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/plb.12406


Por outro lado xistem pesquisadores que encontraram um efeito de modificação da estrutura de vasos condutores de seiva provocado pela presença de Tillandsia recurvata, o que provavelmente leva aí ressecamento dos galhos. Esta informação está presente no resumo deste artigo (inglês): https://www.researchgate.net/publication/343952939_Is_ball_moss_Tillandsia_recurvata_a_structural_parasite_of_mesquite_Prosopis_laevigata_Anatomical_and_ecophysiological_evidence


E agora? O que fazer? Aqui está um belo ponto para ser pesquisado por alguma universidade ou instituto de pesquisa: remover liquens e Tillandsias das árvores contribui com o aumento do vigor da planta?

POSTS RECENTES
Arquivo
jardinagem

AGRO PARA PAISAGISTAS

CURSO ON-LINE

APRENDA A IDENTIFICAR E SOLUCIONAR PROBLEMAS NO JARDIM

© 2026 por Gabriel Kehdi