contato@gabrielkehdi.com

Telefone: (11) 99635 0396

Atendimento Grande São Paulo

© 2026 por Gabriel Kehdi 

Como identificar deficiência de micronutrientes

December 14, 2017

 Os micronutrientes são responsáveis por um delicado equilíbrio no metabolismo das plantas e a falta deles pode trazer problemas. Saiba quais são os sinais!

 

Este artigo é a segunda parte do nosso tema sobre deficiências nutricionais. No artigo anterior discutimos os aspectos relacionados aos macronutrientes. Se ainda não viu, clique aqui!

Como mostramos no artigo anterior, micronutrientes não são menos importantes do que os macronutrientes. Os micronutrientes recebem esse nome por serem requeridos em menores quantidades no metabolismo das plantas, mas sua falta pode comprometer muito o desenvolvimento do vegetal.

Alguns micronutrientes são relativamente abundantes nos solos brasileiros, o que reduz muito a ocorrência de sinais de suas deficiências. Já outros são escassos nos nossos solos, o que torna comum a verificação de sintomas de deficiência. A ocorrência de um determinado nutriente no solo está relacionada ao material de origem daquele solo. Solos originados de rochas basálticas, por exemplo, são ricos em muitos macro e micro nutrientes. No estado de São Paulo os solos predominantemente originados do basalto são chamados de "terra roxa", tradicionalmente conhecida por seu bom aporte de fertilidade. O manejo do solo também interfere diretamente na disponibilidade de nutrientes. Solos mal cuidados, excessivamente trabalhados e sem manutenção da matéria orgânica tendem a apresentar menor teor de nutrientes do que os solos bem cuidados.

Tradicionalmente, por serem requeridos em maior quantidade pelas plantas, os nutrientes N, P e K são adicionados ao solo via adubação química com grande frequência. Entretanto, se o adubo ou o solo não possui uma quantidade adequada de micronutrientes, a adubação NPK pode ser comprometida pelo simples fato de a planta não estar abastecida com todos os nutrientes. Isso tem a ver com a Lei do Mínimo que comentamos no post anterior. Esse comprometimento do aproveitamento da adubação causa perdas financeiras, pelo investimento mal utilizado, perdas na produtividade, perdas no desenvolvimento da planta e perdas de outros insumos que são subutilizados devido ao quadro de subnutrição. Dessa maneira é importante conhecer os teores disponíveis de nutrientes para as plantas antes de proceder com a adubação.

Vamos listar cada um dos micronutrientes, com suas funções e os principais sintomas de deficiência nas plantas. São chamados de micronutrientes: Boro, Cloro, Cobre, Ferro, Manganês, Molibdênio, Níquel e Zinco.


B (Boro)

 

O boro é o micronutriente mais requerido entre as dicotiledoneas e que está intimamente relacionado ao sistema reprodutivo das plantas. É também um elemento ligado à parte estrutural das plantas, compondo substâncias da parede celular. O boro tende a ser um elemento de baixa mobilidade nas plantas, o que promove o aparecimento dos sintomas de sua deficiência nas folhas e ramos jovens. Os sintomas de sua deficiência são principalmente queda de botões florais, queda de frutos em formação, má formação de frutos e sementes, amarelamento e necrose de brotações e má formação de brotações.

Foto: Deficiência de boro em hibisco

Fonte: University of Florida

Cl (Cloro)
Há pouquíssimos relatos sobre a ocorrência da deficiência de cloro, uma vez que este é um nutriente relativamente abundante nos solos. O cloro é um elemento fundamental no processo da fotossíntese, além de atuar no equilíbrio hídrico da planta, regulando as perdas de água pela transpiração. O cloro é considerado um elemento móvel na planta e seus sintomas tendem a aparecer nas folhas mais velhas. Os sinais de sua falta são murcha generalizada, bronzeamento ou clorose de folhas velhas, com aspecto de queimadura.

Cu (Cobre)

 

O cobre é um elemento intimamente relacionado à fotossíntese e ao controle da oxidação por oxigênio no metabolismo das plantas. Também é um nutriente essencial para o equilíbrio da parte reprodutiva das plantas superiores, regulando principalmente o desenvolvimento de antenas e crescimento de frutos. Os principais sintomas da deficiência de cobre são clorose e necrose de folhas mais jovens, seca de brotações e enrolamento das folhas.

Foto: Deficiência de cobre em tomate

Fonte: Haifa

Fe (Ferro)

 

O ferro é um elemento essencial dentro da complexa cadeia da fotossíntese. Por mais que a maioria dos solos brasileiros sejam ricos em ferro, é possível haver sintomas da deficiência deste nutriente quando o elemento encontra-se em formas moleculares de baixa solubilidade. O aumento do pH do solo devido à aplicação de calcário sem critério aumenta a insolubilidade do ferro, o que pode causar a sua deficiência nas plantas. Os principais sintomas da falta do ferro são folhas jovens amarelas, com um fino reticulado de nervuras em verde escuro.

Foto: Deficiência de ferro em roseira.

Fonte: Gardening Know How

Photo credit: Malcolm Manners

Mn (Manganês)

 

O manganês está envolvido com a cadeia da fotossíntese e com o controle da oxidação por oxigênio no metabolismo das plantas. Os sintomas mais comuns da deficiência de manganês são a clorose internerval de folhas jovens, a necrose com coloração palha das pontas de folhas, e em monocotiledoneas (como cebolas e orquídeas), aparecem listras acinzentadas nas folhas.

Foto: Deficiência de manganês em Schefflera

Fonte: University of Florida

Mo (Molibdênio)
O molibdênio é um dos micronutrientes exigidos em menores quantidades pelas plantas. Está relacionado ao metabolismo do nitrogênio e em reações de controle secundárias, como em mecanismos reprodutivos. Os sinais de deficiência de molibdênio são nebulosos, indicando baixa resistência ao encharcamento de raízes em algumas plantas, à pouca resistência de baixas temperaturas e ao atraso do florescimento.

Ni (Níquel)
O níquel é o micronutriente menos exigido pelas plantas, sendo absorvido em concentrações muito baixas. O níquel é essencial para a germinação de sementes de algumas espécies como a cevada, e regula a concentração de uréia nas plantas, como em tomate e soja. Não há evidências de sintomas de deficiência de níquel para a maioria das plantas cultivadas.

Zn (Zinco)

 

O zinco está relacionado ao metabolismo de açúcares, de hormônio de crescimento (Auxinas) e da resistência contra infecções por patógenos. Os principais sintomas da deficiência de zinco são o mal desenvolvimento foliar, plantas atarracadas (conhecido por enfezamento), e suscetibilidade à doenças.

Foto: Deficiência de zinco em milho.

Fonte: International Plant Nutrition Institute

 

É importante ressaltar que para determinar com exatidão o problema da deficiência nutricional é imprescindível uma análise de solo com metodologia correta de amostragem e procedimentos laboratoriais. A adubação ou correção do pH do solo sem critério pode causar problemas de toxicidade por excesso de nutrientes ou indisponibilidade dos mesmos. Consulte sempre um agrônomo para definir as melhores práticas de manejo para ter suas plantas sempre saudáveis.

 

Com essas informações seu jardim poderá se manter ainda mais saudável e ainda mais florido!

 

#paisagismopodesalvaromundo

 


Gabriel Kehdi

  

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

POSTS RECENTES

April 25, 2019

April 11, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload